26 de nov de 2008

hilda furacão

o vaticano lançou um calendário 2009 com fotos de padres jovens.
jovens e (digite aqui seu adjetivo masculino preferido), todos com cara de "vou te doutrinar"
que religião maravilhosa, hein? mais fotos de padres jovens e ... aqui


hildinha tava certa...

23 de nov de 2008

Pequenas resoluções

Sábado, depois de rebocada da cama por chantagem de um café-da-manhã perfeito fui na "lojinha da Natura" rs*A loja pronta entrega da vendedora espertinha e simpática que leva todo nosso dinheiro. Cheguei e lá e descobri que trabalhar em revista feminina te faz ficar sem opções de compra...

But: no cantinho, abandonado, perto de "Marley & Eu", lá estava...

A versão de bolso de O Diário de Bridget Jones, the book.


Li em uma única noite desesperada por literatura mulherzinha e na esperança de encontrar contos de fadas modernos...
E vejo que sou de uma futilidade adolescente e de uma vontade absurda de corresponder às minhas expectativas que nem sei exatamente quais são, pois sou cria de uma geração que viu a decadência das nossas heroínas do Girl Power.

Se elas já não existem, fiquemos com as heroínas fictícias e tracemos nós, as nossas diretrizes, levantemos as nossas bandeiras e deixemos de lado o humor ácido e pervertido de certas espécimes do nosso cotidiano.
PS: No momento desejo comer flambados, acompanhados de vinho branco, tipos como Daniel Cleaver...

14 de nov de 2008

mais nerdeza

Festa do Livro da USP

DIA 3

COSAC NAIFY
Elementos do estilo tipográfico - Robert Bringhurst
Era uma vez uma capa - Alan Powers
Malagueta, Perus e Bacanaço - João Antonio
Abraçado ao meu rancor - João Antonio
O vermelho e o negro - Stendhal
O olho e o espírito - Maurice Merleau-Ponty


EDUSP
O dicionário do livro - Maria Isabel Faria e Maria da Graça Pericão


Ainda bem que foi o último dia!Meu cartão de crédito não agüentaria mais um.
A festa do livro foi ótima, é lindo ver um evento que se baseia apenas em livros (sem fogos de artifício ou big x-picanha como a bienal) e mesmo assim lota de gente. Todos ali, pra comprar livros. A editora xiita dentro de mim está revisando e cantando nesse momento!

E só porque é sexta:


13 de nov de 2008

to be a nerd


Feira da USP

Dia 1:
Nova Fronteira:
Camus e Sartre – Ronald Aronson
A velhice – Simone de Beauvoir

Gramática da Língua Portuguesa – Bechara
A consciência de Zeno – Italo Svevo

Conrad:

Calvin: Criaturas bizarras de outro planeta! – Bill Waterson
Calvin: Yukon Ho! – Bill Waterson
Calvin: Tem alguma coisa babando embaixo da cama – Bill Waterson
Calvin e Haroldo: e foi assim que tudo começou – Bill Waterson
A greve da Arte – Stewart Home
Aventuras de uma psedovirgem – Iris Bahr
O visitante noturno – B. Traven

Unesp:
História das mulheres no Brasil – Mary del Priore (org.)
História da Leitura – Steven Roger Fischer
O corpo feminino em debate – Maria Izilda S. de Matos e Rachel Soihet

Alcol/Edusp
Safo Novella -
Silvana Ruffier Scarinci

DIA 2
Paz e Terra:
A sociedade em rede – Manuel Castells
História da Sexualidade (1, 2 e 3) – Michel Foulcault

Via Lettera:

Minutos de estupidez: um livro de auto-destruição – Doutor Carneiro


a gente é nerd sim, so what?

11 de nov de 2008

a little more brave

Acabei de voltar do almoço, enquanto me acabo na Shakira (Ciega, sordomuda – pra quem quiser acompanhar) decidi atualizar esse bloguito abandonado. Passei a semana pensando em uma frase do Clube das desquitadas (assiste logo, vai!), nada de muito especial, era uma frase da Brenda: “maybe you are now a little more...braaave?”, ela dizia para a sua amiga medrosa Annie para tentar convencê-la a cantar em público.
Tudo isso exige uma explicação prévia sobre a Brenda, interpretada pela diva Bette Midler: ela é uma das três personagens principais do filme, mulheres de meia-idade que foram trocadas pelos seus maridos por mulheres mais jovens.
O marido de Brenda a troca por Shelly –uma atuação interessante da Sarah Jessica Parker, em sua versão fetal – após ganhar dinheiro com a familia judia-italiana-mafiosa da esposa, Morty decide aproveitar a bonança com a nossa futura Carrie Bradshaw e não com a mãe de seu filho.
A cena mais engraçada do filme é quando Brenda, possuída, entra escondido com as amigas no novo apartamento do marido. É brega, é tosco, completamente nouveau riche, despudorado mesmo! No meio da confusão (ela está tentando encontrar papéis que o incriminem para finalmente conseguir uma doce vingança) ela entra na pièce de résistance: a suíte master! Como uma boa iidiche frau ela se joga na cama dele e começa a chorar dramaticamente pela vida que não tem mais.
A Brenda é corajosa, é ela que pensa em toda a vingança do filme, ela que decide transformar sua vingança pessoal em uma atitude positiva e coletiva (um centro de ajuda à mulher). Ela é tudo isso com o humor da Bette Midler. Mas a grande lição é que ela também sofre, e, mesmo sendo a mais durona, consegue perdoar o Morty quando ele se arrepende. Essa é a mensagem da personagem, não só pra sua amiga cagona, mas pra nós também.
Feliz aniversário Billie, talvez agora estejamos a little more...