31 de out de 2010

Reencontro

Hoje eu estou dilma uma alegria que não sabia mais existir em mim. Dilma uma alegria idealista, dilma uma paixão adolescente, dilma fé no futuro.

Crescer, estudar, abandonar os dogmas religiosos, descobrir teorias sem sustentação, tudo isso fez de mim um ser humano sem sonhos, sem ideais, sem motivos pelos quais lutar. Quase blasé (okay, nunca serei o blasé do CJE! JURO!).

Hoje, domingo de eleição, em que elegemos a primeira presidente mulher, não estou feliz porque acredito que Dilma será melhor governante que José Serra. Como todo brasileiro... EU TORÇO para que ela seja melhor que José Serra.

Eu estou na alegria de quem viu a sociedade patriarcal permitir a entrada de uma mulher na presidência.

Muita gente me criticou dizendo que eleição e futuro de um país não são questões de gênero. Você acha mesmo que “a questão de gênero” existe descolada? Que dá para você levantar ela quando for conveniente?

Quer um exemplo? Eu procuro não me deixar levar pelo preconceito, por isso apoio os muçulmanos em muitos conflitos com o Ocidente. Quando o Oriente me diz que vai apedrejar uma mulher, ou obrigar que ela use véu, isso é um desrespeito ao meu gênero, ao que eu sou. Não dá pra respeitar como "outra cultura". Só existe uma cultura que prevalece acima de todas: a de respeito.

Você é negro? Você é gay? Você é judeu? Então, você sabe que não se trata de Ocidente ou Oriente... Não importa a dicotomia... Você é minoria e é excluída. Não importa o que aconteceu na história ocidental europeia ou na África... Ela não foi escrita para mim ou por mim. A história não é das mulheres.

Por isso, eu digo... Não se trata de PSDB ou PT. Se trata de uma nação patriarcal, que tem sua base na Casa Grande, fincada na tradição como os pés de café que plantou... ter permitido que uma mulher chegasse ao poder!

É ler dos amigos homens frases lindas sobre democracia e apoio... Ou apenas votos sinceros... De acreditar que ela pode.

Eu sei que parece um discurso apaixonado de quem se reencontrou com 15 anos, sonhando com um futuro melhor. Mas, hoje, eu daria tudo para ter de volta as minhas aspirações.

Hoje, eu não quero pensar se a Dilma vai ou não vai me agradar ou me decepcionar. Só estou aproveitando a alegria explosiva de saber que a maioria do meu país confiou em uma mulher o seu destino. Isso é lindo.

Cada homem deve viver o seu próprio tempo. Cada mulher também. Hoje, estou feliz por vivê-lo.

27 de ago de 2010

o imbecil


Trecho do livro HitchGirl de La Baronne- sucesso na França:


"O imbecil é o homem que não dá à companheira o devido respeito e, ainda por cima, quer ter sempre razão. É aquele que foge das responsabilidades e não as assume. É aquele que menospreza a “amada” para aumentar seu ego de cretino. É contra ele que me posiciono e encorajo as mulheres a destruí-lo.
Aquele que conduz o mundo à deturpação e que tem o dom natural para a degradação do conceito de casal. Aquele que fala mal das mulheres, as trata de modo humilhante e que se satisfaz ao agir como um fanfarrão soberbo. É o “metido a gostosão”, que quer aparecer custe o que custar, e que tenta apagar a presença da parceira. Aquele que vive só para enganar. Um grande covarde, que merece a coroa da arrogância e o troféu de “lixo humano”. Aquele de quem nenhuma mulher está protegida – nem contra sua língua, nem contra suas mãos. Um hipócrita dos tempos modernos que mente ao falar, que não cumpre nenhuma promessa e que, quando alguém lhe confia um segredo, revela-o sem o menor escrúpulo. Esse é o imbecil! Eu poderia denegrir a imagem dele por horas. Eu adoraria fazer isso e preencher o vazio destas páginas brancas, utilizando-as para lhe proteger das palavras “encantadoras” desse tipo de homem."



Quem conhece um imbecil?! Quem conhece DOIS? Ou DEZ? Ou trocentos??


Eu já passei por vários (trabalho com 2 ou três) o imbecil não passa de um egocêntrico... que na verdade é um inseguro. Ele mantém nossa posição de segundo sexo, porque só assim ele se banca. É o engraçadão, é aquele que fala que o amigo que vai casar "foi amarrado". É aquele coleguinha de trabalho que faz piada de mulher com o chefão, porque é mais fácil do que realmente ser competente. É aquele vizinho que te chama de mal amada, sendo que nem a mãe gosta dele. É aquele amigão do seu irmão que toma banho de perfume para impressionar uma garota diferente que a cada ano fica mais nova.


É contra o imbecil que lutamos, for always and eternity.




9 de jun de 2010

100 anos de Pagu

Hoje, Pagu completaria 100 anos de vida

"Esse crime, o crime sagrado de ser divergente, nós o cometeremos sempre"

"Se eu ainda tivesse unhas, enterraria meus dedos nesse espaço em branco que ainda resta"

"A liberdade e a prisão
Ter um barco que percorra
Distâncias incríveis
Saber remendar um sapato
Encontrar um amor
Amor de verdade
Ser vento, fogo ou carvão
Tudo, tudo, tudo
Menos esta ratoeira"

"Tenho várias cicatrizes, mas estou viva. Abram a janela. Desabotoem minha blusa. Eu quero respirar"

"Sou a única atriz.
É difícil para uma mulher
interpretar uma peça toda.
A peça é a minha vida,
meu ato solo".


Menina, inteligente, transgressora, idealista, provocadora, artista, apaixonada, enganada, desiludida, mãe, esposa, noiva, traída, vaidosa, sensível, medrosa... Obrigada.





9 de mai de 2010

A bag of songs and a heavy heart

Há muito tempo eu não compro um CD. Até por que é bem mais fácil baixar e ouvir até enjoar. No entanto, como toda "chatinha musical", eu adoro uma coisa meio old school, e sempre fiz questão de comprar os CDs que eu achava muito perfeitos: bem gravados, com boas letras, com um intérprete bom, com compositores legais etc. Mania de "chatinhos musicais".

Aí, como recebi minhas férias, sem poder ter desfrutado do ócio, resolvi me jogar na Livraria Cultura e fazer a "chatinha musical". Eu estava, na verdade procurando alguns álbuns antigos (eu nunca compro CDs da moda até ter certeza de que eu não cansei das músicas), e fui direto tentar achar o primeiro da Adele. Eu sou louca por "Daydreamer", "Chasing Pavements", "Melt My Heart To Stone" e outras... Mas, não encontrei. Enquanto isso, peguei o da Duffy, um muito antigo da Alanis, e uns tantos outros.




Quando fui perguntar ao vendedor sobre o CD da Adele, ele me disse que eu podia encomendar por apenas R$ 69!!!!!!!!!! Quase cai dura! Achei um absurdo, queria surtar e xingar a Adele, perguntar quem ela pensava que era? Mas, aí, meu pensamentazinho uóóóóó, da minha educaçãozinha patriarcal, perdeu, e comecei a pensar se eu estaria achando o mesmo de um músico, homem, que tal o Bono? Que tal Elton John? Que tal Lennon/Paul/Ray/Elvis? Opaaaaa...

Eu não compraria, mas não acharia tão absurdo! Agora eu vou sempre à Livraria Cultura procurar o CD dela, e vou comprar assim que possível. Li há poucos dias um romance sobre a vida da revolucionária Olympe De Gougeous, que escreveu os Direitos da Mulher e da Cidadã, e ela diz que nós, mulheres, somos incapazes de apreciar e admirar o trabalho de outra mulher. Consumirei toda a forma de produção artística feminina que eu aprecie. Livros, filmes, quadras, imãs de geladeira... WHATEVER! Afinal, a história e a arte já fizeram a questão de coroar todos os Monets, Manets, Van Goghs, Leonardos, Shakespeares, Wildes, Beethovens, Fellinis... Faço questão de distribuir melhor os louros.




PS: o CD da Duffy eu comprei assim que tive minha epifania no meio da livraria lotada! E é lindjooooo!! Aguardo ansiosa o da Adele!!!!! Beijomeliga! (deixa sair um "Ximbica - Greatest Hits", então! Eu fico lokaaa)

6 de mai de 2010

Quando a gente pensa que perdeu...

Zlatan Ibrahimovic e Gerard Piqué, jogadores gostosões do Barcelona, que acabou de ser eliminado da Liga dos Campeões da Europa.
***
Não dá pra dizer nada… nem entra em questão a coisa do “será que ele é?” Mas é lindo pensar esse tipo de manifestação entre idolos do futebol (ainda mais do europeu, que aqui é endeusado). Seja carinho, seja o que for.

é isso aí, machos alpha, viadagem no futebol! onde vcs vão se esconder agora??

okay… tem os puteiros, e os butecos sujos, e o resto do planeta que ainda é de vcs…
mas o futebol já tá indo pro nosso lado! Weee!

4 de abr de 2010

Tô vendo a CET!

Às vezes, eu me sinto muito desinformada... Um dia desses, no meio do trabalho eu descobri uma menina que pedia para o Rodrigo Faro dançar a Ximbica, uma música chamada “Ximbication”, no programa O Melhor do Brasil.

Com todo esse sucesso do Rebolation, do tal do Parangolé, achei que seria alguma coisa num ritmo baiano, cheia de malemolência, ou alguma coisa com muitas tecladinhos e calças boca de sino. Qual não foi a minha surpresa quando eu descobri essa fofura de ser humano!

Pra comemorar o loirão de Mary V.

Prometo que a primeira vez que eu pegar o carro após tirar a minha carta eu vou cantar essa música tão alto que meus ouvidos vão sangrar!

TÔ VENDO A CET!

28 de fev de 2010

Por um dia melhor

E uma semana também...

Primeiro que tem a Shakira na fase loirão, que se transformou na mulher mais legal do mundo. Depois tem o Nadal que sempre foi uma paixão secreta... Tá, nem tão secreta... Depois que a segunda-feira está bem próxima e para você, que como eu, precisa começar uma coisa nova, talvez seja bem legal cair na fantasia de se achar meio "gipsy"...

E não precisa sair lendo mãos por aí (um passatempo que, confesso, adoro!! rs rs), mas já dá pra ir rodando o saiote e batendo o cabelo (She's a maniac, maniaaaac for loooove). Boas mudanças!


27 de jan de 2010

Chiquitita

"No meio do caminho tinha uma pedra..."

E essa pedra na minha vida chama trabalho. Ou, melhor, a forma como eu encaro o trabalho. Como a minha relação com o trabalho ainda não está bem definida e ando numa crise séria de relacionamento, com todos os contornos de novela mexicana (a traição, o outro, a indiferença, o vilão, a choradeira), meu estômago está revirado e acabei passando o fim de semana bem uóóó.

Mas, encontrei uma ótima companhia. Estou enlouquecida por Chiquinha Gonzaga. Já gostava, mas não tanto quanto agora. Talvez tenha um pouco a ver com o feriado carnavalesco que eu e Mary V. teremos no grande Rio de Janeiro...

Pensei em fazer a piriguety do funk, a Helena do Manoel Carlos, mas agora quero fazer a Chiquinha no passeio público! Pois ela foi uma mulher maravilhosa, filha de mãe negra em uma época de racismo declarado, culta, divorciada e com mais de 50 anos se apaixonou por um adolescente.

Pianista, aprendeu a tocar violão no navio de guerra de seu primeiro marido, que tinha ciúme dela com a música. Primeira regente mulher e dona da primeira composição feita especialmente para o carnaval: "Ó Abre Alas".

Na madrugada de hoje, depois que parou de chover, saiu uma lua linda entre as nuvens, e eu ouvi "Sedutor" pelo computador, e achei que foi a música mais bonita já criada. Tá certo que logo encontro outra (deixa eu voltar a ouvir Beyonceeeeeeeeeee!!), mas por enquanto me contento em pedir proteção à Mestre Chiquinha das Mulheres Desesperadas!
Ajudai, mamita!

16 de jan de 2010

Tradução Beleza de Garota II

Foi difícil escolher hoje entre a Tina Turner e a Roxette, mas quando vi o clipe decidi I-M-E-D-I-A-T-A-M-E-N-T-E optar pela tradução Beleza de Garota de Eurythmics!

Hoje, o amor está no ar, então:

There Must Be An Angel (Playing With My Heart)

Nanarunarararuna…

(olha apaixonada por cima do ombrinho)

Dana…

(olha o bofe refletido no chão)

Daraaaaa…

(fecha o olho e senty a magia)

Repete

Yey!

(Olha pra

câmera e dá close)

No one on Earth could feel like this

Ninguém imagina o bafo que tá rolando

I’m thrown and overblown with bliss

Tô de scarpin e repicado

There must be an angel

Deve ser esse anjão

Playing with my heart

Que tá me tirando de otária...

Yeeeaaaah

(mostra que tirou a amígdala)

I walk into an empty room

Eu fico sozinha no meu barraco

And suddenly my heart goes boom

E quase morro quando ouço os pipoco lá fora

It’s an orchestra of angels

São os anjão da minha escola de samba

And They are playing with my heart

Que tão me tirando de otária

Refrão (repete 12 vezes, girando e batendo o cabelão na pista)

Must be talking to an angel

Tô flertando com o anjão

(repete a parte do scarpin com repicado)

And when I think tha I’m alone

E quando eu vou de piriguety pra balada

It seems there’s more of us at home

Levo os bofes todos pra casa

It’s a multitude of angels

Tem anjão pra semana toda

And they are playing with my heart

E eles tão me tirando de otária

Repete refrão (6 vezes)

I must be hallucinating (faz os bofes cantarem no coral)

Eu tô ficando beeem lôca

Watching angels celebrating

Os anjão tirando a rôpa

Could this be reactivation?

Pode os bofe não cansá?

All my senses dislocating?

Já tá me dando piriri

This must be a strange deception

Vai ser phoda se os bofe não ligá

By celestial intervention

Vou amarrá em nome de Gezus

Giving me the recollection

Pra não ficar na saudade

Of Your heavenly connection

Da #$%@*@#$%&¨*@#$













(um bofe entra com a gaita e você faz a cigana)

(volta a parte social da música)

Nanarunarararuna…

(Junta todo mundo, chama as amiga)

Dana…

(... solta as pombas, pula nos unicórnios, pega os troco que tão jogando)

Daraaaaa…

(... e dá close de travesti) – Essa última parte é um plágio da Bixa Xoxota


É isso, amiga...

Se joga no romance, no amor, gruda no anjão e faz os trabalho se for preciso!

Beijo, tchau!

11 de jan de 2010

Debbie Reynolds

Menina, eu estou com um encosto brabo e phoda, fia!

E estou musical pra dedéu! Comprei o DVD de Singing in the Rain... Eu já conhecia e amava, pois vi ainda criança e a cena da chuva sempre foi sinônimo de libertação (anotação blogal, Mary V. – precisamos fazer isso em 2010, please, don’t forget it).

Mas, quando assisti again... Sei lá, talvez pelo que sou hoje, nessas últimas 24h ou 24 meses, fiquei com Good Morning na cabeça... A história é banal, romântica, tem um príncipe... Mas, gostaria de chamar a atenção para “Ella” (of course... Você ESTÁ no Beleza de Garota, sweetheart).

O filme é de 1952 e ali está Debbie Reynolds, lindíssima e protagonista como Kathy Selden. Talvez eu não goste do olhar dócil e imaculado que Gene Kelly, o galã e diretor deu a ela, mas gosto do olhar de ousadia e força que Debbie deu à Kathy... Está tudo ali nas entrelinhas. Qualquer uma de nós é capaz de enxergar. O roteiro pode estar escrito, mas o que nós imprimimos de único em nossas personagens é o que torna tudo fantástico!



PS: Talvez eu só queira sair do bolo e dançar como uma piriguety também! Mas, isso também faz party, neah, tchutchuca!

Totalmente contra

Eu sou totalmente contra “O Pequeno Príncipe”.

Assim como fui contra Harry Potter, Crepúsculo, pescaria e cheiro de açougue. Na verdade, tem uma série de coisas as quais eu sou totalmente contra.

Contra “O Pequeno Príncipe”, afinal era livro de Miss e quando eu era criança tinha um desenho chato na televisão que me deixou com aversão. Nesse final de semana, assisti ao musical de 1974 e simplesmente... Mudei, bixaaaaa!

Achei as imagens lindas, as músicas ótimas, as danças incríveis, principalmente a serpente-Michael-Jackson que canta A Snake in the Grass, ou coisa parecida...

E sabe aquela cena clássica da raposa? Simplesmente linda... Mais uma vez, eu fiquei impressionada com a atuação de Gene Wilder, que na minha humilde opinião, foi tipo o Johnny Depp de seu tempo, sem AQUILO que torna o Jack Sparrow tão sexy mesmo sendo pirata! (looooooooongo suspiro)

Eu não estou fazendo uma crítica de cinema, só pra deixar claro!

Mas, hoje eu queria te pedir pra fazer nessa semana alguma coisa da qual você seja MUITO contra... Eu vi The Little Prince e fiquei realmente tocada, afinal nunca criei qualquer expectativa positiva...


Não digo que você está enganada, em relação a tudo o que acha de si mesma, amiguete... O filme Crepúsculo ainda foi uma graaaaaande perda de tempo da minha vida, tanto que li meus e-mails enquanto via o filme.

Durante muito tempo eu resisti a E o Vento Levou, e quando viu, fiquei completamente enlouquecida. Achei maravilhoso. E a pequena surpresa que tive quando o filme terminou, com certeza, valeu o risco de perder uma noite incrível para ver vampiros adolescentes emos enchendo o saco.

...Não é possível vencer todas...

E aí? Vai fazer alguma coisa da qual você é TOTALMENTE contra? Se não gostar, eu adoraria discutir a respeito... Assim como adoraria saber sua opinião em relação a O Pequeno Príncipe, Crepúsculo, o balé O Quebra-Nozes e o Big Brother que começa amanhã...

Afinal, a inteligência só sobrevive na discordância, minha cara!

Sijoooooooga!

7 de jan de 2010

Bitch Ball

Hey, você que de vez em quando vem aqui no nosso humilde barraco!

Mary V. e eu estamos com uma novidade:

Bitch Ball – Bola para Mulheres

Para sua mãe, você diz que é BITCH BALL mesmo e ainda convida a fofa, pois ela vai adorar. A gente vai se encontrar algumas vezes ao longo do ano pra bater uma bolinha (ping-pong, futebol, tênis, frescobol, queimada, handebol, vôlei... O que der na telha) e beber umas brejas...


Uma coisinha só pra gente se divertir e lembrar de como era bom jogar bola com as meninas no tempo do colégio...

“Ah, mas eu nunca participei da educação física e eu sempre fazia minhas unhas na hora de correr”...

Ótimo, gatha! Depois de cada jogo eu fico um bagaço e preciso de uma consultora já! Bebe breja? Come with me! Se tiver interessada, deixa seu email que informamos locais e horários!

Agora, tenho um assunto de suma importância:

BIXA XOXOTA!

Cada dia que passa eu amo maaaaaaaaaaaaaais a internet e percebo o quanto eu perdi de talento vendo TV. Amo o Youtube! E agora... Amo-te, bixa xoxota!!

Ahaza!


4 de jan de 2010

Nem sabia que existia!

Babaaaaaado! E não é que essa doida já tinha botado o zigazig-ah dela pra fora e eu nunca tinha visto!!

Olha, gathaaaa... Arrasou no penteado, no zoião borrado, chegou uma hora que me perdi na filosofia toda e não entendi mais nada, mas até fiquei empolgada com essa animação todaaa...

Se joga! Apesar de eu não ter entendido lhufaaaas, adoooooro quando tem uma doida no meio do parque rodopiando que nem uma pomba-gira! Se eu tivesse aí, até dava a mãozinha prela! Eu nem sabia quem era a fofa, parece que é uma atriz de Malhação, mas acho que agora ela já é do mundo!

Meu dia 4 de janeiro, eu comemoro com o 4 de dezembro da phopha!



31 de dez de 2009

Bom Zigazig-ah 2010!



Dez anos depois... Okay, I’m sorry... Estava ocupada com a paz mundial! De qualquer forma, vim aqui hoje, desejar a todas um bom zigazig-ah para 2010!

Eu e Mary V. estamos vivendo um período lindo das nossas vidas em que não sabemos se nos jogamos da ponte. Nessas horas, as Spice sempre aparecem para salvar a pátria, ou pelo menos para nos dar um puxão de orelha.

A sempre sábia Mel B. já dizia em "Wannabe":

I wanna really, really, really wanna a zigazig-ah.

Eu podia fazer outra tradução como presente Beleza de Garota, mas acho que explicar o conceito, talvez seja mais produtivo:

Zigazig-ah nada mais é do que o direito que você tem de querer.

Não é a toa que está em “Wannabe” (pegou, pegou?)... Ter a liberdade para querer também significa querer com liberdade.

Será que você só quis o que seus pais queriam? O que seu namorado quis? O que sua melhor amiga quis para vocês? O que todo mundo acha que é bom para você? Será que você sabe interpretar suas vontades?

A questão não é o quanto o mundo e o capitalismo são opressores, meu bem!

Você pode arrumar um milhão de motivos para explicar sua vida de sacrifícios: medo de assumir os seus desejos, pois se você se enganar estará sozinha e a culpa será só sua; por preguiça de tomar um caminho mais longo; você ainda pode me dizer que a vida não te deu tempo suficiente para ficar pensando sobre isso, já que suas responsabilidades foram jogadas na sua cara de uma vez. Eu, com certeza, diria isso!

Então, o meu desejo de ano novo é que você não fique nem mais um segundo vivendo dessa forma! O “Santo Querer” implica também o “não-querer”: não quero trabalhar no final de semana. Não quero brigar. Não quero chuchu. Não quero você. Não quero ouvir sua voz. Não. Não. Não!

Mas, eu quero cerveja gelada, quero um vestido fresco, curtíssimo, que não me aperte, quero estar magra, quero comer batata frita, quero dar risada na hora errada, quero ir nadar sozinha de madrugada, quero um abraço, quero um emprego melhor, quero dinheiro, quero música!

So tell me what you want? What you really, really want?

I wanna, I wanna, I wanna, I wanna… I wanna really, really, really wanna a zigazig-ah

Pra mim e pra você também!

obs: outra explicação possível é que zigazig-ah seja um coisa completamente sem sentido, e que só esteja na música pra gente poder dar aquela tremedinha básica no joelho, maraaaaaa... Mas, eu vou ficar com a explicação filosófica-científica!

10 de nov de 2009

a uniban e a turba

prometo um post com as minhas considerações até o fim da semana.
mas a coluna do Calligaris diz tudo (a da semana passada). pra quem não tem Folha eu copio aqui.

Chorei quando li, o sentimento dele, é aquilo que a gente pensa quando se vê feminista. "não, não acabou o feminismo, o mundo ainda é machista".

***

CONTARDO CALLIGARIS

A turba da Uniban

As turbas têm um ponto em comum: detestam a ideia de que a mulher tenha desejo próprio
NA SEMANA passada, em São Bernardo, uma estudante de primeiro ano do curso noturno de turismo da Uniban (Universidade Bandeirante de São Paulo) foi para a faculdade pronta para encontrar seu namorado depois das aulas: estava de minivestido rosa, saltos altos, maquiagem -uniforme de balada.O resultado foi que 700 alunos da Uniban saíram das salas de aula e se aglomeraram numa turba: xingaram, tocaram, fotografaram e filmaram a moça. Com seus celulares ligados na mão, como tochas levantadas, eles pareciam uma ralé do século 16 querendo tocar fogo numa perigosa bruxa.
A história acabou com a jovem estudante trancada na sala de sua turma, com a multidão pressionando, por porta e janelas, pedindo explicitamente que ela fosse entregue para ser estuprada. Alguns colegas, funcionários e professores conseguiram proteger a moça até a chegada da PM, que a tirou da escola sob escolta, mas não pôde evitar que sua saída fosse acompanhada pelo coro dos boçais escandindo: "Pu-ta, pu-ta, pu-ta".
Entre esses boçais, houve aqueles que explicaram o acontecido como um "justo" protesto contra a "inadequação" da roupa da colega. Difícil levá-los a sério, visto que uma boa metade deles saiu das salas de aula com seu chapéu cravado na cabeça.
Então, o que aconteceu? Para responder, demos uma volta pelos estádios de futebol ou pelas salas de estar das famílias na hora da transmissão de um jogo. Pois bem, nos estádios ou nas salas, todos (maiores ou menores) vocalizam sua opinião dos jogadores e da torcida do time adversário (assim como do árbitro, claro, sempre "vendido") de duas maneiras fundamentais: "veados" e "filhos da puta".
Esses insultos são invariavelmente escolhidos por serem, na opinião de ambas as torcidas, os que mais podem ferir os adversários. E o método da escolha é simples: a gente sempre acha que o pior insulto é o que mais nos ofenderia. Ou seja, "veados" e "filhos da puta" são os insultos que todos lançam porque são os que ninguém quer ouvir.Cuidado: "veado", nesse caso, não significa genericamente homossexual. Tanto assim que os ditos "veados", por exemplo, são encorajados vivamente a pegar no sexo de quem os insulta ou a ficar de quatro para que possam ser "usados" por seus ofensores. "Veado", nesse insulto, está mais para "bichinha", "mulherzinha" ou, simplesmente, "mulher".
Quanto a "filho da puta", é óbvio que ninguém acredita que todas as mães da torcida adversa sejam profissionais do sexo. "Puta", nesse caso (assim como no coro da Uniban), significa mulher licenciosa, mulher que poderia (pasme!) gostar de sexo.
Os membros das torcidas e os 700 da Uniban descobrem assim um terreno comum: é o ódio do feminino -não das mulheres como gênero, mas do feminino, ou seja, da ideia de que as mulheres tenham ou possam ter um desejo próprio.
O estupro é, para essas turbas, o grande remédio: punitivo e corretivo. Como assim? Simples: uma mulher se aventura a desejar? Ela tem a impudência de "querer"? Pois vamos lhe lembrar que sexo, para ela, deve permanecer um sofrimento imposto, uma violência sofrida -nunca uma iniciativa ou um prazer.
A violência e o desprezo aplicados coletivamente pelo grupo só servem para esconder a insuficiência de cada um, se ele tivesse que responder ao desejo e às expectativas de uma parceira, em vez de lhe impor uma transa forçada.
Espero que o Ministério Público persiga os membros da turba da Uniban que incitaram ao estupro. Espero que a jovem estudante encontre um advogado que a ajude a exigir da própria Uniban (incapaz de garantir a segurança de seus alunos) todos os danos morais aos quais ela tem direito. E espero que, com isso, a Uniban se interrogue com urgência sobre como agir contra a ignorância e a vulnerabilidade aos piores efeitos grupais de 700 de seus estudantes. Uma sugestão, só para começar: que tal uma sessão de "Zorba, o Grego", com redação obrigatória no fim?Agora, devo umas desculpas a todas as mulheres que militam ou militaram no feminismo. Ainda recentemente, pensei (e disse, numa entrevista) que, ao meu ver, o feminismo tinha chegado ao fim de sua tarefa histórica. Em particular, eu acreditava que, depois de 40 anos de luta feminista, ao menos um objetivo tivesse sido atingido: o reconhecimento pelos homens de que as mulheres (também) desejam. Pois é, os fatos provam que eu estava errado.