15 de jan de 2009

Rapunzel virou hippie

Reunião de início de ano e tantas mulheres reunidas e cheias de convicções para decidirem os rumos da revista em que trabalho. Acho que foi minha última reunião de pauta pela revista este ano, já que entro em um regime na editora e passarei por várias publicações. De qualquer forma, uma coisa me assustou bastante em mim e nelas.

Pautas de sexo? Nada diferente. Todas as mulheres do mundo querem mais é falar tudo o que sempre quiseram e fazem questão de reafirmar que são livres para isso. Moda? Beleza? Tudo igual. No entanto, não me lembro quem começou com uma história de desenhos, polaroids, revistas francesas do passado, cartas de amor...

CARTAS DE AMOR!?!?!?

What the hell???

Foi bem assustador o suspiro coletivo. E conheço bem a todas elas e a mim mesma. A menção das polaroids, as cartas de amor, os desenhos... Tão românticas. Saudosistas. Um sentimentalismo de que as publicações femininas que venho estudando mostram de uma forma tão sutil e que naquele momento (após o susto) começou a ser divertido. Não sei se já cheguei a comentar que as pessoas entre 8 e 28 anos hoje, seriam da chamada GERAÇÃO Y. Após a Segunda Guerra Mundial tivemos os Baby Boomers, depois a Geração X e agora a Y. Resumindo para a melhor frase que ouvi sobre a tal geração: Somos hippies pragmáticos.

Bom, pelo menos eu achei hilária... (dãr... Tá, só eu ri no dia...)

Hilária também foi a constatação de que ali dentro daquela reunião, estavam presentes mulheres que aprenderam a desprezar todas as princesas dos contos de fadas (principalmente a chata da Cinderela) e que usaram todo tipo de vocabulário para falar de sexo (TODO rs*), que discutiram uma campanha sobre gentileza, e como colocar Índia, Palestina e Israel na revista e cartas de amor, polaroids, fotos mais humanas... Isso me pareceu, de fato, que as cobranças (para as mulheres e para todos) são muitas... Em todas as áreas: pessoal, profissional, sexy-espiritual! E todos os hippies pragmáticos do mundo tentam diariamente oferecer o melhor da sua humanidade aos outros... Mas, sempre dá errado. Paciência.

Um comentário:

mary v. disse...

já me falaram que eu sou hippie porque não tenho televisão. mas... tem a ver?

fiquei curiosa com essa coisa de Geração X e Geração Y... rs rs, vou pesquisar pra ver se endosso umas teorias.