6 de set de 2008

Brasilândia

Há 20 anos moro na Zona Oeste de São Paulo. Meus pais há mais de 40. Teremos eleições municipais e o que mais vejo na propaganda de saúde é o "marketing de guerra" referente ao hospital da Brasilândia.

Quantos anos serão necessários para construir um hospital? E eu preciso acreditar que as obras serão iniciadas assim que o novo prefeito tomar posse...

A Brasilândia não é só a Brasilândia (eu, por exemplo, não moro exatamente nela). Em uma região como esta, você aprende que comunidade são todas as regiões subjacentes. Portanto, falar em desenvolver a Brasilândia significa conquistar os coraçõezinhos de um eleitorado gigantesco, ainda mais se pensarmos que as casas não são tão grandes como as do Itaim e bairros centrais e que as famílias são maiores, até mesmo mais de uma dentro de cada casa.

Quando eu tinha dois anos meu avô morreu no hospital público do Penteado. Ele fez um cirurgia nas cordas vocais (problema que herdei como boa neta que sou rs*) e teve complicações com a anestesia. O hopital do Penteado não tinha condições de atendê-lo e então ele faleceu.

18 anos depois pouca coisa mudou no hospital. A maioria dos médicos não fica muito tempo aqui, não há equipamentos adequados e o pronto-atendimento não funciona.

Existem outros hospitais na região, como o da João Paulo, além de postos de saúde e clínicas e como eu havia dito, eles são da região, mas não recebem o nome de "Brasilândia" que agora virou um nome pop (espero que não tenha nada a ver com o filme da Negra Li! Mas, tenho sérios motivos para achar que sim. Eu moro aqui, não sou retardada).

Portanto, eu digo desesperadamente como alguém que vê o que está acontecendo "dentro da sua própria casa" e não pode fazer nada.



Celeiro de votos é c*!
Se eles forem eleitos, vou perseguir o "Hospital da Brasilândia" de uma forma insuportável! Só para aliviar minha alminha vingativa...

Um comentário:

Mary V. disse...

tá de luta esse post, rs rs rs.

vc vai viar a possuída da brasilandia, isso sim!