22 de set de 2008

Quando tudo terminar


Se eu pudesse dançaria noites inteiras e viveria por madrugadas sem fim.
Sendo eu, sendo mulher, sendo criança, sendo corpo, sendo amante, sendo pássaro que acaba de sair do ninho.
Sou feliz de transformar minha parte mais triste em riso de beleza, meus sentimentos em música e meu coração batendo junto com meus pés.
Quando nasce um outro dia, quero só continuar dançando, mas não há mais som; não há mais a meia-luz que as envolve e que é manto de segurança.
Quero ser livre, quero voar outros já que não machuco a ninguém.
A maior vilania da humanidade é ser capaz de doer fundo nos outros. Dores que só doem em quem não faz doer .
Não quero ser uma dor, quero ser um compasso, um acorde.
Acorde! Acorde em uma madrugada de dança, luz e embriaguez e seja você mesmo, transparente de riso cristalino e faça as pessoas felizes.
Enlouquecidamente felizes.

Nenhum comentário: